Aula terapia ocupacional_cu

download Aula terapia ocupacional_cu

If you can't read please download the document

  • date post

    16-Apr-2017
  • Category

    Education

  • view

    120
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Aula terapia ocupacional_cu

ATIVIDADES DE VIDA DIRIA (AVD)

ATIVIDADES DE VIDA DIRIA (AVD)

DISTRBIOS DE COMPORTAMENTO

Telma Toledo Rocha

Terapeuta Ocupacional

Especialista em Gerontologia UFMG

Membro do Gerocenter CIAPE

CREFITO 4/7165 TO

ATIVIDADES DE VIDA DIRIA

(AVD)

As atividade de vida diria, tambm chamadas de AVD, incluem as atividades rotineiras como alimentao, vestir e despir, banho e higiene pessoal.

Com o envelhecimento, o idoso apresenta uma srie de dificuldades para executar tarefas rotineiras e para manter um comportamento social aceitvel.

As alteraes que so prprias do envelhecimento trazem dficits em relao : memria, viso, ao equilbrio, s capacidades fsicas e uma demora no tempo de reao.

Assim, com o avano da idade, pode ocorrer uma perda da capacidade de tomar decises e de realizar certas tarefas que nos parecem simples.

importante que sempre se estimule a independncia do idoso na realizao dessas atividades, mesmo que isso demande um tempo maior para a realizao dessas tarefas. Quanto mais ele fizer, melhor para ele e menos desgaste para voc!

Lembre-se que o mais importante no cuidado fazer COM o idoso e no PELO idoso, favorecendo a manuteno da autonomia e da independncia.VESTIR E DESPIR

Proporciona:

Bem-estar

Segurana

Autoconfiana

Exige:

Coordenao

Equilbrio

Movimentao fina das mos

Viso

Fora muscular

ATENO: Mesmo quando o idoso j perdeu um pouco da independncia, SEMPRE que possvel, a escolha da roupa deve ser feita por ele!

DICAS PARA O CUIDADOR

1. Roupas simples, confeccionadas com tecidos prprios ao clima e no comprimento certo para evitar o risco de quedas.2. Nunca esquecer de tirar ou colocar agasalhos, conforme a variao da temperatura. O idoso pode ter perdido a percepo trmica.3. O cuidador deve, ao falar com o paciente, colocar-se no seu campo visual, ou seja, em frente a ele, orientando-o calmamente e gesticulando, se necessrio. 4. Deve-se estimular o ato de vestir-se sozinho, dando instrues com palavras fceis de serem entendidas. 5. D a ele a oportunidade de optar pelo tipo de vesturio e as cores que mais o agradam. Apenas supervisione, pois pode ser que haja necessidade de auxili-lo na combinao das cores. 6. Tenha calma e pacincia, no o apresse enquanto ele executa sua rotina de vestir-se ou despir-se. Proporcione a ele tempo suficiente par executar a tarefa. Lembre-se que mesmo gastando um tempo maior para realizar a atividade, a manuteno da independncia fundamental. 7. Para que ele mesmo possa procurar suas roupas nos armrios, organize-as por categorias e cole fotos de peas e ou objetos pessoais na parte externa da gaveta ou guarda-roupas. Isto o ajudar a encontrar rapidamente o que procura. 8. Roupas como blusas, camisas ou suteres, devero ser preferencialmente abertos na parte da frente, para facilitar a colocao ou retirada. 9. Evite roupas com botes, zperes e presilhas, elas dificultam o trabalho do idoso para abr-los ou fech-los. Se possvel, colocar fechos de velcro nas roupas e sapatos.10. Nos casos de demncia avanada ou total dependncia do idoso, deve-se dar preferncia aos conjuntos do tipo moletom, em funo de sua praticidade. 11. Para pacientes limitados a cadeiras de rodas ou poltronas, o critrio para a escolha do vesturio ainda mais rigoroso. Deve-se optar por roupas confortveis, largas, especialmente nos quadris. 12. O uso de objetos pessoais (acessrios), pode ser mantido, porm, em casos de demncia ou confuso mental, as jias devero ser substitudas por bijuterias. 13. Na medida do possvel, deve-se providenciar um roupo, para que o paciente possa se despir no quarto e, protegido, ser conduzido ao banho. 14. Deve-se evitar o uso de chinelos, pois eles facilitam as quedas. 15. Todos os tipos de sapatos devem ser providos por solados antiderrapantes e firmes, de salto baixo, os mais indicados so aqueles que possuem elstico na parte superior, pois alm de serem fceis de tirar e colocar evitam que o paciente tropece e caia, caso o cadaro se desamarre.

16- Em casos de confuso mental e dficit cognitivo, deve-se dividir a atividade em etapas e ir orientando o idoso atravs da fala clara e pausada ou atravs de demonstrao. No caso de orientao verbal, dar indicaes simples e precisas, uma de cada vez e repet-las se necessrio.

17- As roupas devem ser organizadas e apresentadas ao idoso na ordem em que ele ir vest-las. Por exemplo: 1- cueca, 2- meia, 3- blusa, 4- cala, 5- cinto, 6- sapato, 7- agasalho.

18- Encorajar os idosos a se vestirem ao invs de passar o dia todo com pijama ou roupa de dormir.

19- Manter sempre respeito pela intimidade dos idosos durante o vestir-se e o despir-se, mantendo-os em local adequado com privacidade e livre de correntes de vento.

20- Para pacientes com demncia e dficits cognitivos importante que se estabelea uma rotina relacionada com o vestir.

21- Estar sempre atento a sinais de cansao.

ALGUMAS ADAPTAES

ALIMENTAO

ASPECTOS QUE PODEM DIFICULTAR

Dentio em mau estado de conservao

Fraqueza da musculatura da boca ou das mos

Tremor das mos

Perda da coordenao motora

Dficits cognitivos

Distrbios de comportamentoATENO: O idoso pode no se lembrar se j comeu ou no e ainda pode no se comportar da maneira adequada mesa. Por esse motivo, muitos familiares e cuidadores acabam dando o alimento ao idoso em horrios ou em locais diferente do restante da famlia, impedindo que ocorra esse contato com a famlia na hora das refeies. O ideal que o idoso se alimente como o de costume juntamente com seus familiares.

DICAS PARA OS CUIDADORES

1- Lembre-se que sempre que possvel o idoso deve ser responsvel pela escolha do alimento e do horrio das refeies de acordo com seus hbitos e rotinas.

2- Estimular a independncia do idoso na realizao de todas as etapas da atividade de alimentao.

3- Garantir um ambiente seguro, confortvel e agradvel durante as refeies.

4- Sempre que possvel levar o idoso mesa para que ele se alimente com toda a famlia.

5- Cuidado ao servir a comida ao idoso. Certifique-se que a temperatura est adequada (nem muito quente, nem muito fria) e que a quantidade ser suficiente.

6- Se o idoso estiver com tremores ou dficits motores que dificultem a realizao da atividade, adaptaes podem ser providenciadas como por exemplo engrossador do cabo do talher, ventosas no prato e copo adaptado.

7- Em caso de confuso ou dficit cognitivo, uma boa opo dividir a atividade em etapas e orientar de forma simples, clara e pausadamente uma a uma. pegue a colher coloque a comida leve a boca mastigue engula

8- Em alguns casos, o idoso pode se recusar a comer. interessante que se preocupe com a aparncia da comida, procurando colocar alimentos com cores bem alegres e dispostos harmonicamente no prato.

9- Nunca alimente um idoso na posio deitada! Mesmo que no seja possvel leva-lo mesa, coloca-lo na posio sentada e com a cabea ereta na hora da alimentao.

10- D ao idoso o tempo que ele necessitar para se alimentar. No o apresse e lembre-se que a alimentao deve ser um momento agradvel e tranqilo.

11- Esteja sempre atento s orientaes do mdico e da nutricionista e s d ao idoso alimentos adequados. Procure orientaes em relao a doenas que levam restries da alimentao, como a Diabetes e a Hipertenso.

12- Se o idoso se recusar a comer, no force a barra, tente convenc-lo da importncia da alimentao e que a comida est gostosa, mas nunca coloque a comida na boca do paciente de maneira brusca.

13- Se voc no convenc-lo a comer, procure a ajuda de um mdico. Em casos avanados da Doena de Alzheimer, por exemplo, pode ser necessrio o uso de sondas.

ALGUMAS ADAPTAES

BANHO E HIGIENE PESSOAL

PROPORCIONA

Boa Sade fsica e emocional

Boa aparncia

Autoconfiana

FATORES QUE INTERFEREM

Ambiente inadequado

Alteraes de equilbrio

Alteraes da viso

Diminuio da fora muscular

Dficit cognitivo

FICAR ALERTA COM

A temperatura da gua que pode gerar queimaduras ou mal estar se estiver muito fria.

Quedas no banheiro

Sabonete nos olhos

No dar trancos, que podem causar hematomas

Correntes de ar no banheiro

AMBIENTE ADEQUADO

Mantenha o piso seco e dentro e fora do box utilize tapetes antiderrapantes (emborrachados) para evitar quedas. A colocao de barras de segurana na parede de grande ajuda, pois permitem que o paciente se apie nelas durante o banho, fazendo-o sentir-se mais seguro. Se for difcil para ele manter-se em p por muito tempo, talvez uma cadeira de banho v auxili-lo e permitir maior conforto e independncia.

O Box deve ser protegido com uma cortina de plstico sem arrastar no cho, bem fixada e transparente na parte superior.

O porta toalha deve ficar ao lado do Box

A mangueira do chuveirinho no deve arrastar no cho

O banheiro deve ter uma boa luminosidade.

DICAS PARA O CUIDADOR

1. A rotina do banho essencial. Mudanas de horrio e da maneira de como conduzir o banho devem ser evitadas.

2. O cuidador deve, na medida do possvel, deixar que o idoso realize a tarefa de banhar-se. A melhor maneira do cuidador agir, na condio de incentivador, auxiliar e protetor.

3. Quando se est preparando o banho, todas as aes devem ser explicadas em voz alta, falando clara e pausadamente, uma a uma.

4. Banho de chuveiro, com gua em abundncia e temperatura agradvel, so requisitos indispensveis. Banho de banheira ou no leito so reservados para situaes especiais, quando esta for a indicao pela equipe multiprofissional.

5. Ao iniciar o banho, d